sexta-feira, setembro 25, 2009

H de tempestade

todo h no final me inquieta
me assanha
me alvoroça
me aperta

insight fight diet critch
nem o último nem o primeiro
no meio
central
certeiro

feito flecha no calcanhar
tal qual soco, sopro na vela
quando apaga
soco na cara

como temporal
com seus raios claros
pela tela da terra
rápido, inundado, dolorido, lindo
lindo como chamas linda

o que vi foram vigas de trovão
braços forte peito forte
coração right
e lá vem de novo
o h de tempestade
me tirar do sério do chão

fazer voar derrubar o avião
tá bom mas dessa vez
me deixa aqui
ver da janela e chuva
thunder lightning luna

todo h me atrai
me chama
me ama
assuma.

7 comentários:

Leandro Marcondes disse...

Eu sei que eu não comento muito seus textos, e sei que você sempre vai lá no meu blog e fala alguma coisa que me deixa contente, a verdade é que eu sou meio acanhado e fico com receio de escrever alguma besteira, mas eu sempre passo aqui e sempre gosto das coisas que você escreve. Você é legal e escreve bem :)

marcos assis disse...

concordo com o leandro!

Emely disse...

... Acalenta ou revira o nosso lar!


=)

Cáh disse...

eeee H...

o tormento sem dono, sem sono, sem nada.


Beijooo lindo lindo.

jorginho da hora disse...

Amei, lari, vc tá ficando à cada dia.

Everton do N. Siqueira disse...

No meio do caminho havia uma pedra.
Havia uma pedra no meio do caminho.
O que isso tem a ver com teu poema?Nada, era só pra você saber que eu vim aqui ler teu blog hehe

Magnum Borini disse...

Nossa adorei este! e to loko pra ver os outros!
vc deveria publicar! é que quase sempre que estou no onibus sinto falta de um texto, pra complementar a paisagem e o aquele dia!
continue assim! to adorando!

to com novidades! da uma olhada!

bjão e ate+!